Ir para o Topo

Você é educador ou educadora?

Sim

Não

Ministério do Turismo, Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura e Wilson Sons apresentam

Alto Contraste

A+ Aumentar Fonte

A- Diminuir Fonte

Acessibilidade

Revista

Música e empoderamento

Foto: Grant Leighton

* Por Baluarte Cultura

Nada de mensagens cifradas e sonhos de uma sociedade diferente, num futuro distante. A geração empoderada que abre espaço na música brasileira é direta e reta: quer vivenciar mudanças aqui e agora. E não espera acontecer, já chega impondo o novo, o diferente, o não usual.

Seja desafiando padrões estéticos (como MC Carol e Karol Conka), subvertendo noções de gênero (como Liniker e As Bahias e a Cozinha Mineira), afirmando a condição de mulher negra (como Tássia Reis), chamando a atenção pra realidade das periferias (como Rico Dalasam) ou dando uma real ao mostrar a atualidade do discurso feminista (como Elza Soares), não é de hoje que artistas têm lançado mão da música (e da consequente exposição) para dar seus recados.

Para além das letras, chama a atenção a atitude destes artistas – dentro e fora dos palcos. Grande parte desta atuação se dá na forma como falam, cantam, se vestem, se apresentam, são e vivem – apresentando diferentes formas de viver e estar no mundo.

Um fenômeno que não é novo, diga-se de passagem. O historiador Luiz Antônio Simas – referência quando o assunto são as culturas dos povos da diáspora africana – conta em entrevista como o samba tem se renovado, se reinventado e sido utilizado como poderoso instrumento de resistência da cultura negra no Brasil.

E se estes temas, que pressupõem preceitos básicos de igualdade e respeito às diferenças, continuam tendo força e envolvendo novas gerações, é porque a realidade ainda deixa muito a desejar. É o que conta, em artigo produzido para a Revista Tuhu, a jornalista e estudiosa da trajetória das mulheres na música Camila Frésca: em pleno século 21, mulheres ainda ocupam menos espaço do que homens em vários ambientes musicais, incluindo tradicionais orquestras e ambientes de música erudita.

Apresentamos, nesta edição, artistas e iniciativas que não se encaixam em fórmulas pré-concebidas. Em comum, a escolha da música como uma ferramenta de empoderamento, usando a poesia e a força da música para passar recados mais do que pertinentes e atuais.

Boa leitura!

Faça Parte

Inscreva-se para ver primeiro todas as novidades do Brasil de Tuhu.

Política de Privacidade do site

Mantenedora  

Patrocínio  

Copatrocínio  

Realização